Salvador Bonomo
Ex-Deputado estadual e Promotor de Justiça

 

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

Laurent Alexandre, médico francês, escreveu “A Morte da Morte”, Editora Manole Ltda., tema já versado por Yuval Harari, professor de História na Universidade Hebraica de Jerusalém, sobre o avanço da medicina, rumo à imortalidade.

Admite-se que a Idade Média se situa entre 476 e 1.453, onde e quando só se viviam 35 anos. Entre nós, em 1920, viviam-se 40, enquanto, hoje, vivem-se 76,74, prevendo-se já ter nascido quem viverá 1.000, que superará o personagem bíblico, Matusalém (Antigo Testamento), que teria vivido 969.

A morte era fatal. Mas a medicina biotecnicocientífica [NBIC = Nanotecnologia, Biologia, Informática e Ciências cognitivas (inteligência artificial e ciência do cérebro)] já a elege como escolha, não como destino.

Para alguns cientistas, em virtude da evolução da Biotecnologia, a medicina do século XXI fará clonagem terapêutica – eufemismo de “terapia celular” – usando células-tronco, que ensejarão substituir a lógica da reparação pela da regeneração, isto nas próximas duas décadas.

Nanotecnologia é tecnologia que manipula átomo e molécula. Segundo estudo, a Nanotecnologia superará a nova fase da medicina biotecnológica, cujo avanço vê minha geração como marco temporal: fim da morte-destino e começo da morte-escolha.

Laurent diz que, embora a Biotecnologia já manipule corpo humano e ainda precise de algum tempo, não verá obstáculo rumo à imortalidade. Cientistas transumanistas acham dever-se usar tecnologia e ciência que valorizem o físico e a mente, pois pertinem à imortalidade, que, se foi mito até o fim de XX, avizinha-se do real.

A medicina biotecnológica e as NBIC ((Nanotecnologia, Biologia, Informática e Ciências cognitivas (inteligência artificial e ciência do cérebro) gerará ruptura profunda na ordem vigente. Aliás, face à evolução biotecnicocientífica, neste século haverá mais mudanças que no último milênio.
Até o século XX, a medicina era a de Hipócrates; de massa, cujo método era aleatório: apoiada, basicamente, em noções, diagnósticos e sintomas.

Em face das tecnologias NBIC, o método clássico tornou-se obsoleto. Face à evolução, a medicina deste século surpreenderá, pois fulcrada nos “4P” (Preditiva, Preventiva, Personalizada e Participativa), rumo à medicina personalizada: cura antes da doença.

Aliás, breve a cura será testada em computador, cujo primeiro teste convincente, de diabete, já se fez em 2010. Intui-se que, na medicina personalizada, os remédios serão feitos “sob medida”.

Há 10 mil anos, o homem começou a domar a Natureza, iniciando na Agricultura, mas só há poucas décadas passou a intervir na esfera do vivo, animal e vegetal, graças à Biologia. Tal ação começou nas partes doentias. Aliás, segundo Darwin, resultamos de seleção, graças ao cérebro. O século XXI encarará o dilema de administrar a “pós-seleção natural”, evitando-se mudança irreversível.

Prevê-se que as NBIC substituirão o atual paradigma, ensejando que, detendo-se saber, comportamento, domínio de comunicação e informação, tudo será de poucos, que, ditando regras de hábitos e de regimes políticos, deterão o Tecnopoder: quem viver, verá.

Concluindo, avoco dicção do padre Antônio Vieira (1608-1697): “O livro é um mundo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive”.

Vitória, ES, 12.01.2020

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO