Por Cleber Sabino

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

O novo CD da banda Up Pomerisch de Vila Pavão promete. São 12 músicas autorais, a maioria com letra de Jorge Kuster Jacob e melodia de Nicolas Berger.  Falam da Culinária, como a música “Mijlchebroud” (pão de milho ou brote) que é o principal elemento da culinária pomerana. Fala da “Noiva de Preto” (letra de Mylena Machado) que faz parte de um dos mais longos rituais de casamento de um povo.

A canção “Solitária Concertina” retrata a música tradicional e popular pomerana. Não existe tradição no casamento pomerano sem a concertina. A música “Pomitafro”, composta por Sergio Schultz fala da participação dos POMeranos, ITAlianos e AFRIcanos num dos principais eventos da cultura tradicional e popular capixaba realizada todos anos em Vila Pavão. A “Nova Pomerânia” é uma música que vai falar do sofrimento desse povo na extinta Pomerânia na Europa e no inicio da colonização aqui no Brasil.

A música “Germanos” fala da confusão que se faz com os pomeranos no Brasil, chamados de “alemão broteiro” aqui no ES, “alemão batata” no RS e “alemão taioba” em Rondônia. Uma música mais crítica e polêmica é “Pomer Oppa” (Macacos Pomeranos) que fala sobre a lenda dos pomeranos que os “macacos é que trazem os bebes” e não cegonhas ou aviões. No novo CD tem espaço ainda para duas satíricas que falam da mulher pomerana: “Slecht Fruug” (mulher má) e “Judita” (Judite).

A música “Fuul Hunt” (literalmente “cachorro preguiçoso” ou “pomerano preguiçoso”), satiriza o homem pomerano que coloca seu desanimo de trabalhar na formiga (“amais”), no sapecador (“brend krut”) e no marimbondo (“Steckim”).

A música “Canto Pomerano” fala do pomerano de forma geral aqui no Brasil. Outras duas músicas ainda estão em produção. Uma “Pomer Mutta” (Mamãe Pomerana) que fala do dia a dia da mulher pomerana e agricultora familiar, esposa e mãe. E a outra música é “Klaus Granzow”, em homenagem ao famoso pomerano, escritor, teatrólogo, cineasta, repórter, pesquisador e apresentador de TV, nascido na Pomerânia, preso e exilado por Hitler, que visitou e escreveu sobre os pomeranos no Brasil nos anos de 1970.

A criação da banda

A Banda Musical Up Pomerisch foi criada em 2005 com o desafio de colocar no palco músicas valorizando a língua pomerana. A banda surgiu dentro do movimento Pomitafro, festa cultural pomerana, italiana e afro, criada no CEIER (escola Agrícola) em 1989, antes da emancipação politica com o objetivo de valorizar a cultura destas três etnias formadoras do município pavoense. A Pomitafro hoje é um dos principais movimentos culturais do estado do Espírito Santo.

Clique aqui e curta nossa página no Facebook.

O sociólogo, escritor e professor Jorge Kuster Jacob,  secretário municipal de Educação e Cultura da época, desafiou os jovens talentos pomeranos, Hélio Mateus, Sergio Shultz, Osmar Folz, Valdir Wutke, Jonas Bonning e Nicolas Berger, a cantar música na língua pomerana. Eles toparam o desafio e juntos com Jorge fundavam a Banda Up Pomerisch (“Em Pomerano”). As primeiras canções foram versões de músicas como “As Mocinhas da Cidade” e de uma banda típica do Rio Grande do Sul, além de musicas de concertina. A repercussão foi enorme e assim, a língua pomerana cantada subiu a um palco em Vila Pavão pela primeira vez. “Os pomeranos de Vila Pavão nunca tinham sido aplaudidos como artistas, sempre aplaudiram artistas de fora. Todas as vezes que um povo, etnia ou cultura oprimida subir num palco sobem com ela todos os povos oprimidos do mundo”, filosofa Jorge Kuster Jacob.

A música “Rato no Coador”, de autoria da banda, foi um enorme sucesso, como se pode ver no videoclipe no Youtube, a seguir:  https://www.youtube.com/watch?v=XV4-FWC21nQ. A TV da Assembleia Legislativa do Estado no seu programa “Som da Terra” fez um programa com a banda e vale conferir também: https://www.youtube.com/watch?v=L61NFjcHJuw.

O Projeto

No geral, o novo projeto musical tem músicas em pomerano, com refrão em pomerano e as estrofes em português explicando o refrão, além de músicas só em português falando dos pomeranos. “A banda vai buscar editais ou patrocinadores e projetos para gravar as 12 músicas em CD e destas quer transformar 07 em videoclipes. Entendemos que chegamos num momento crucial da história. A banda precisa ter identidade não só com a língua cantando músicas de outros. É preciso cantar a nossa história e as nossas ricas manifestações culturais. A festas típicas de Santa Maria, Pancas, Laranja da Terra, Baixo Guandu, Domingos Martins, Vila Valério entre outras aqui no Espírito Santo e outras no RS, SC, MG e RO e também as diversas emissoras de rádio em comunidades pomeranas brasileiras exigem e nos cobravam músicas com a identidade histórica e cultural pomerana. E Esse é o primeiro CD no mundo com essa proposta,  como vimos nos temas das 12 musicas”, expôs Jorge Kuster.

A primeira música e carro chefe do novo CD (Brote) e as principais músicas dos três primeiros CDs da banda podem ser acessadas no endereço eletrônico https://www.palcomp3.com.br/up-pomerisch/chopp-motorrad/ .

Por causa dessa nova proposta musical, no ano passado (2019), a banda fechou vários shows em municípios pomeranos. Neste ano de 2020 muitos contatos já estão sendo mantidos para apresentações nos estados de Rondônia, Minas Gerais e Santa Catarina, além de apresentações e lançamentos de CDs e DVDs, inclusive na Alemanha e Polônia.

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO