publicidade

Outros nomes com interesse na sucessão municipal poderão surgir ao longo do período pré-eleitoral

Se na região já são constantes as articulações dos partidos em torno de nomes para a disputa majoritária em 2020, em Ecoporanga não é diferente.  O assunto já está sendo discutido nos bastidores, especialmente entre as lideranças partidárias.

Prefeitáveis

Já são cogitados os nomes do atual prefeito Elias Dal Col (PSD), vice Rogério Paulino (PSD), ex-prefeito Pedro Costa (PT), ex-vereador José Luiz Mendes (PR), ex-vereador Eduardo Muqui (PSB), bancário Ezequiel Galdino (PDT), pecuarista Chico Franzotti (PSDB), vereador Robério Pinheiro (PSDB) e o médico Marlus Geizer (PV).  Outros nomes, entretanto, poderão surgir ao longo do período pré-eleitoral.

Eleição 2016

Na eleição de 2016, Ecoporanga teve sete candidatos a prefeito: Elias Dal Col (PSD), Pedro Costa (PT), José Luiz Mendes (PR), Eduardo Muqui (PSB), Sargento Hugo (Podemos), Roberval Fianco (MDB) e Ezequiel Galdino (PDT).  Elias foi eleito e não esconde o desejo de candidatar-se à reeleição.

PSL na disputa

A tendência é que o PSL, partido de Bolsonaro e do deputado Capitão Assumção (PSL), como em praticamente todos os municípios capixabas, participe diretamente da eleição municipal.

Assumção ainda não falou publicamente sobre os planos do partido no município, mas certamente em consonância com o projeto do presidente estadual da sigla, Carlos Manato, que é de eleger o maior número de prefeitos possíveis no Espírito Santo, Ecoporanga também deverá ter um representante na disputa.

Neste mês de março o PSL está reestruturando as comissões executivas municipais.

Dr Marlus

Entre os novatos que poderão surgir na eleição de 2020 em Ecoporanga, aparece o nome do médico Marlus Geizer (PV).

Dr Marlus como é conhecido popularmente no município disputou a eleição de 2012 como candidato a vereador, ocasião em que obteve uma expressiva votação.

PSB forte

Naturalmente o PSB, partido do governador Renato Casagrande deverá ter um candidato forte na disputa.  Pelo menos é a tendência e os comentários de bastidores da política ecoporanguense.

Na eleição de 2016 o candidato do partido foi o então vereador Eduardo Muqui, que não se elegeu.  Políticos experientes de plantão avaliam que a sigla deverá buscar outro nome em Ecoporanga, em comum acordo com Muqui, que aliás, tem forte ligação com Casagrande e o secretário de Agricultura, Paulo Foletto, do mesmo partido.

Por Antônio Carlos da Silva

* Coluna Na Mira é publicada simultaneamente nos Portais GN1 e OR7

Leia mais

COLUNA NA MIRA

publicidade