A equipe do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf) recebe, esta semana, técnicos do Ministério da Agricultura (Mapa) para auditoria do serviço de defesa sanitária animal. A visita, que teve início nessa segunda-feira (25) e segue até esta sexta-feira (29), tem o objetivo de avaliar a qualidade dos serviços veterinários prestados pelo Instituto no Estado.

Os auditores do Mapa estão reunidos com os médicos-veterinários da Subgerência de Defesa Sanitária Animal e de Epidemiologia e Análise de Risco do Idaf para acompanhar a execução de planos, programas, ações e demais procedimentos relacionados à saúde e defesa animal no Estado.

publicidade

O programa de avaliação leva em conta quatro componentes apontados pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como essenciais para a qualidade dos serviços veterinários: recursos humanos, físicos e financeiros; autoridade, capacidade técnica e operacional; interação; e capacidade de certificação para acesso aos mercados.

Segundo o diretor-presidente do Idaf, Mário Louzada, a expectativa é de que o relatório evidencie o comprometimento dos servidores que atuam nesse segmento. “As equipes, tanto da sede quanto dos escritórios situados nas cidades do interior, desenvolvem um trabalho sério e alinhado com os preceitos normativos. Além disso, temos trabalhado junto ao Governo do Estado a fim de obter ainda mais melhorias estruturais para os serviços. Por isso, acreditamos que a auditoria será exitosa, colocando o Espírito Santo num cenário positivo no que diz respeito à defesa sanitária animal”, disse.

Outras unidades administrativas do Idaf também serão auditadas. Selecionadas pela equipe do Ministério, serão também auditadas as gerências locais de Nova Venécia, Linhares, Cachoeiro de Itapemirim, Castelo e Domingos Martins, além do Posto de Fiscalização Agropecuária de Pedro Canário.

Comercialização

De acordo com o gerente de Defesa Sanitária Animal do Idaf, Raoni Cipriano, o resultado desses relatórios serve como base para os países importadores para que possam avaliar, por exemplo, os aspectos do serviço veterinário oficial e da vigilância epidemiológica animal. “Estados que demonstram fragilidades ou avaliações negativas certamente podem ter suas importações impactadas. Além disso, desta vez será exigida uma pontuação mínima para a retirada da vacinação contra febre aftosa a partir de 2021”, explicou Cipriano.

O encerramento dos trabalhos está previsto para esta sexta-feira (29), quando será apresentada uma prévia dos resultados da auditoria para a equipe da subgerência de defesa sanitária animal e a diretoria técnica do Idaf. O resultado final, com a devida nota, deve ser divulgado no primeiro trimestre de 2020.