Além de Romualdo, Valdir Turini, Rogério Vieira, Valdirim, Xavier e Charles Faria ainda não definiram se disputarão o cargo de prefeito. Lauro Vieira, Josil Sangiorgio e Cláudio Rodrigues já se colocaram à disposição

O ex-prefeito Romualdo Milanese (SD) ainda não definiu se disputará a eleição para prefeito de Boa Esperança no próximo ano em Boa Esperança.  Ele informou à reportagem do GN1, nesta segunda-feira, 22, que ainda há muito tempo para tomar esta decisão, e enfatizou que a sua definição se dará após uma avaliação por meia de pesquisa de opinião pública, e posterior avaliação dos dados pelo seu grupo político, formado por vários partidos.

Romualdo Milanese salientou ainda, que respeita o posicionamento do prefeito Lauro Vieira (PSDB), que já declarou publicamente o interesse em disputar a reeleição. “Entendo como sendo natural o prefeito de primeiro mandato buscar a sua reeleição. É um direito dele”, destacou.

- CONTEÚDO PUBLICITÁRIO -

O ex-prefeito manifestou que o momento é de organizar os partidos aliados, montar as possíveis chapas de futuros candidatos a vereador e avaliar os cenários políticos, que na sua opinião sofrem constantes e naturais mudanças.  “Entendo que a decisão se dará mesmo, somente nas convenções partidárias, que serão realizadas entre julho e agosto do ano que vem. Temos que cumprir todas as etapas do processo político para não atropelarmos as coisas. Tudo tem a hora certa”, destacou.

Romualdo disse que está estruturando o seu partido, o Solidariedade, que terá uma chapa completa de vereadores, obedecendo o índice de candidaturas femininas. “De agora até o primeiro trimestre de 2020, tanto o SD, quanto as outras siglas, precisam fazer o dever de casa, que é preparar os respectivos partidos e seus futuros candidatos, com averiguação das documentações exigidas e promover até uma capacitação para essas pessoas, com o objetivo de ter candidatos bem preparados para o pleito”, enfatizou Milanese.

Romualdo Milanese é filho do ex-vereador Antônio Milanese, que cumpriu cinco mandatos, foi secretário de Agricultura de 1997 a 2000 e prefeito de 2009 a 2012 e 2013 a 2016. Nas suas duas eleições foi eleito com índice de mais de 80% de aprovação da população.