O Projeto do Deputado Estadual Capitão Assumção foi aprovado na Assembleia Legislativa no dia 25-02. Foto: Lissa de Paula
publicidade

O Projeto de Lei nº 99/2019 do Deputado Estadual Capitão Assumção (PSL) foi aprovado pelos parlamentares da Assembleia Legislativa no dia 25 de fevereiro deste ano

Já está em vigor a Lei 10.984 que torna a Igreja Cristã Maranata (ICM) patrimônio histórico imaterial do Estado do Espírito Santo.  A Lei criada pelo Deputado Estadual Capitão Assumção (PSL), que também é obreiro da instituição religiosa foi publicada no Diário da Assembleia Legislativa desta terça-feira (09).

O deputado destaca que a Igreja Cristã Maranata ocupa espaço conquistado ao longo de anos, inclusive com a utilização do processo didático do ensino-aprendizagem, o que a traduz em um verdadeiro patrimônio cultural e de tradições.

“Essas características comportam o reconhecimento da instituição como patrimônio imaterial. A Igreja Cristã Maranata é um organismo ativo e permanente que contribui de forma considerável no processo de vida e leva a todos os seus membros a uma mudança de comportamento para uma vida de temor a Deus, santidade, serviço cristão e ao próximo”, afirma o autor da Lei.

O Deputado Estadual Capitão Assumção afirma, ainda que, a Igreja Cristã Maranata está entronizada em todo o mundo e é uma importante crença capixaba que merece ser reconhecida pela legislação como propriedade imaterial e orgulho do povo do Espírito Santo, independente de sua religião.

“A sansão desta Lei significa uma grande vitória para nós e para toda a Igreja e é o resultado de muita oração de todos os irmãos que, assim como eu, faz parte desta congregação cristã”.

Sobre a Lei e a ICM

O Projeto de Lei nº 99/2019 do Deputado Estadual Capitão Assumção (PSL) foi aprovado pelos parlamentares da Assembleia Legislativa no dia 25 de fevereiro deste ano.

A Igreja Cristã Maranata nasceu em janeiro de 1968, em Vila Velha. Atualmente possui cerca de cinco mil igrejas e templos estabelecidos em todo o Território Nacional, além estar presente em vários outros países.

A denominação surgiu com o objetivo de adorar a Deus e pregar o evangelho, tendo a Bíblia como única regra de fé e prática, “bem como conscientizar a formação espiritual e social do homem, a educação cristã, promover obras beneficentes e assistência moral e educacional, sem fins lucrativos em território nacional e exterior”, explica o autor da Lei, o Deputado Estadual Capitão Assumção. Por Mary Martins

publicidade