A ação contará com a participação das Vigilâncias Sanitárias, prefeituras municipais e da Capitania dos Portos

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (Sesp), juntamente com outros órgãos e Secretarias Estaduais, divulgou, na tarde dessa quinta-feira (11), o planejamento de fiscalização para o Carnaval 2021. Os detalhes foram apresentados em coletiva de imprensa, realizada na sede da Sesp, em Vitória.

conteúdo publicitário

A operação tem como principal objetivo o cumprimento dos decretos estaduais relacionados à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), sendo realizada em conjunto pelas Polícias Militar (PMES) e Civil (PCES); Corpo de Bombeiros Militar (CBMES); Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES), além das Secretarias da Saúde (Sesa), de Economia e Planejamento (SEP) e de Turismo (Setur). Serão executadas diversas ações de orientação e fiscalização, com o intuito de evitar o descumprimento das normas de saúde no período do feriado.

A ação contará com a participação das Vigilâncias Sanitárias, prefeituras municipais e da Capitania dos Portos. Para este ano, o efetivo destacado nos dias de feriado chegará a um total de 1.959 agentes, sendo 1.620 policiais militares, 155 policiais civis e 184 bombeiros militares. Além disso, serão destinadas cerca de 550 viaturas da Polícia Militar para o patrulhamento diário.

Em sua fala, o secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, Alexandre Ramalho, destacou que, devido à pandemia, o esquema de segurança para o Carnaval será diferenciado e que todo o aparato policial estará nas ruas para garantir a segurança da população.

“Garantiremos a segurança de todas as pessoas neste período, como sempre fizemos. Porém, desta vez também trabalharemos para evitar aglomerações e que nenhum evento em via pública aconteça. Caso ocorra, será considerado clandestino e cancelado. Os tradicionais blocos de Carnaval também estão proibidos em todo o Estado”, frisou Ramalho.

O secretário de Estado de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, destacou que a população precisa entender que não podemos trocar quatro dias de diversão pelo risco à vida. “E também pelo risco à saúde das nossas famílias e da população em geral, além do agravamento da crise que tanto vem sacrificando as atividades econômicas”, pontuou.

Duboc, que atua como coordenador-executivo do Programa Estado Presente em Defesa da Vida, disse ainda que as medidas qualificadas para cada grau de risco das cidades não mudam. “Mas teremos um olhar ainda mais atento para que as pessoas não aglomerem”, comentou.

Já o secretário de Estado de Turismo, Dorval Uliana, enfatizou a importância do cumprimento de todos os protocolos sanitários. “Orientamos desde o início da pandemia que os empreendimentos que compõem o segmento de turismo se adequem às normas sanitárias e os turistas, caso optem por se deslocar, que procurem os estabelecimentos que aderiram ao selo e cumpram as regras de evitar aglomeração e manter a higiene”, informou Uliana. No Espírito Santo, hoje, são 531 os estabelecimentos que aderiram ao selo Turismo Responsável.

Por fim, o comandante-geral da Polícia Militar, Douglas Caus, afirmou que a Corporação trabalhará de maneira integrada às demais forças de segurança, durante todos os quatro dias de Carnaval.

“Em todo o Estado, atuarão 1.620 militares por dia e serão empregadas 550 viaturas. Além do policiamento ostensivo, as equipes também realizarão blitze e ações de cerco tático. Caso algum militar flagre uma situação ou atenda um chamado via Ciodes (190) de aglomeração, primeiramente as pessoas serão orientadas. No entanto, havendo insistência e desobediência, as equipes, com o uso progressivo da força, farão a dispersão dos indivíduos que estiverem aglomeradas”, ressaltou o comandante.

É importante lembrar que a participação da sociedade é fundamental neste período, visto a possibilidade de colaboração por meio dos canais de vigilância, tanto pelo Disque-Denúncia 181, como pelo Ciodes 190.