Há uma expectativa de duas até três candidaturas na eleição de 2020 em Nova Venécia

A sucessão do prefeito Lubiana Barrigueira (PSB) já está sendo discutida nos bastidores e diversos nomes de pré-candidatos tem sido cogitado nas terras do Barão dos Aymorés.  Alguns com mais destaque, outros “nem tanto mestre”, como dizia Ptolomeu, personagem da Escolinha do Professor Raimundo.

PSB em alta

Não se pode negar que o PSB se encontra de maneira um tanto confortável para a futura eleição, levando-se em consideração o projeto da sigla que tem o governador do Estado, Renato Casagrande como filiado de maior plumagem no ninho da pomba, e com o ideal de alavancar o partido com a eleição do maior número possível de prefeitos e vereadores em 2020, visando logicamente a eleição de 2022.

Dois nomes

- CONTEÚDO PUBLICITÁRIO -

Atualmente o PSB tem dois pré-candidatos a prefeito em Nova Venécia: o secretário de Planejamento, Edson Marquiori e o vereador Luciano Márcio Nunes.  Entretanto, não é segredo nas terras venecianas que o partido em nível estadual, por meio de suas maiores lideranças, incluindo o próprio governador, tem interesse e até com muita ênfase, na eleição de Marquiori.

Forte no partido

Aliás, Marquiori tem ligação histórica com Casagrande, tendo atuado nas últimas quatro eleições de Renato, como coordenador regional das respectivas campanhas.  O que lhe rendeu tamanha força dentro do partido e com as principais figuras socialistas, a exemplo do deputado federal licenciado e secretário da Agricultura, Paulo Foletto, entre outros.

A nível local, Edson Marquiori tem mantido a serenidade e um certo controle da situação, de forma que essa preferência não atrapalhe as negociações dentro do próprio partido, no momento crucial do processo eleitoral, que é a convenção partidária para definição das coligações majoritárias, entre julho e agosto do próximo ano.  Visto que, as coligações proporcionais já não são mais permitidas como nas eleições anteriores.

Luciano pleiteia vaga

O vereador Luciano Márcio, por sua vez segue também seu projeto de pré-candidatura a prefeito, e segundo informou nesta semana, que mesmo tendo sido convidado a migrar para outra sigla, tem preferência em continuar no PSB.

Luciano afirmou que tem mantido um trabalho de defesa dos interesses da sociedade ao longo dos seus mandatos de vereador, e que a sua atuação o credencia para a disputa, com o apoio, segundo ele, de várias lideranças do município.

O vereador comentou que a sua decisão será embasada em avaliações de pesquisas de opinião pública, levando também em conta a discussão interna do seu partido.

Vereador Luciano Márcio. Foto: arquivo pessoal

PSL, não!

Questionado pela coluna Na Mira, se devido seu perfil de militar da reserva e ligação com lideranças do partido, não teria interesse em migrar para o PSL, Luciano Márcio foi enfático em dizer que não.  Esclarecendo que o referido partido tem lideranças com outros projetos políticos.

Luciano disse que está satisfeito com os mandatos de vereador, e deixou transparecer que não pretende mesmo disputar a reeleição para o Legislativo.

Outros nomes

Além dos dois, outros nomes têm ecoado no entorno da Pedra do Elefante: Clio Venturim (PRB), vereador Antonio Emílio (PPS), vice-prefeito Adelson Salvador (PSDB) e vereador Biel da Farmácia (PV).  Pode ser que no decorrer dos próximos meses que antecedem o período eleitoral, outros pretendentes possam aparecer, e ao que tudo indica, com pequenas chances de influenciar no cenário atual.

Estilo ‘Mãe Dináh’

Experientes políticos de plantão nas terras do saudoso Geda Coser, acreditam que a eleição em Nova Venécia terá no máximo três candidaturas, sendo duas mais representativas e disputadas, além de uma, podendo estender em até mais uma, com participação de coadjuvante na disputa.

Barrigueira x Japonês

Não há como negar que de um lado estará o grupo do atual prefeito Lubiana Barrigueira, que se reelegeu em 2016 com o percentual de 68,10%, desbancando o então vereador Idaulio Bonomo (PSD), que atingiu 29,84% e Júlio Bungenstab (PRTB), que obteve 2,06%, uma votação igualada ao cargo de vereador, e do outro o time do ex-prefeito Wilson Japonês, que vai apostar mais uma vez no filho Clio Venturim (PRB).

Clio Venturim. Foto: Google

Teste drive

Clio já foi testado na eleição de 2018 como candidato a deputado estadual, ocasião em que obteve o total de 5.092 votos no Estado, dos quais um total de 3.399 foram os votos de Nova Venécia.

Do PPS para o PSL

O vereador Antonio Emílio Borges (PPS) não esconde o desejo de disputar a Prefeitura veneciana. Entretanto, já se atentou que no partido atual poderá enfrentar resistências da direção estadual, que tem estreita ligação com o PSB, ainda mais agora fazendo parte da linha de frente e primeiro escalão do Governo do Estado.

Antonio Emílio tem se mostrado interessado em migrar para o PSL, partido do presidente Bolsonaro, quem sabe acreditando ter uma eleição parecida com a do presidente.

Do PPS para o PSL II

Mas também não parece ser fácil assim a entrada dele na sigla, levando-se em consideração que o presidente estadual do PSL, ex-deputado federal, secretário de articulação da Casa Civil do Governo Bolsonaro, Carlos Manato, já tem ligação histórica com outras lideranças políticas venecianas, que poderiam não concordar com o projeto de Emílio.

Previsão

Na Mira vai chamar a atenção dos nobres leitores para um nome que tem tudo para estar nas rodas de conversas mais uma vez na cidade por onde andou muito e fez história o Padre Carlos Furbetta.  Trata-se do empresário e produtor rural José Carlos Taglia Ferre (MDB).

Na eleição de 2016, Zé Carlos era o nome cotado para assumir a vice do prefeito Barrigueira, que acabou ficando com Adelson, que na ocasião também mantinha uma pré-candidatura a prefeito.

Nova Superintendente

A Superintendência Estadual de Educação, sediada em Nova Venécia desde a sua fundação nos idos dos anos 60, está sob novo comando desde segunda-feira, 18.

A ex-secretária de Educação de Boa Esperança e ex-diretora da Escola Antônio dos Santos Neves, Adriana Bonatto Merlo assumiu o cargo em cerimônia na Sedu.  Ela é membro do PSB esperancense desde o ano de 1996.

Adriana Bonatto e a ex-diretora da Escola Santos Nevs, Sebastiana de Miranda Pinto Calvi

 

Por Antônio Carlos da Silva

Leia mais em Na Mira