Terão direito ao teste, por exemplo, quem tiver mais de 40 anos e apresentar sintomas gripais e também quem tiver comorbidades, independente da idade.

Até o final deste mês, mais pessoas no Espírito Santo terão direito a fazer o teste para detecção do novo coronavírus por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) pretende ampliar a aplicação dos testes de biologia molecular, o RT-PCR, considerado padrão ouro para constatação da covid-19. Entram na lista, por exemplo, quem tiver mais de 40 anos e apresentar sintomas gripais e também quem tiver comorbidades, independente da idade.

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO

A informação é do subsecretário de Vigilância em Saúde do Estado, Luiz Carlos Reblin, que na última segunda-feira (03) concedeu uma entrevista à rádio Pan News Vitória. A decisão de ampliar a testagem, segundo o subsecretário, levou em consideração a estabilização do número de novos casos da covid-19 no Espírito Santo.

“Nós vamos passar a testar todas as pessoas que tenham qualquer comorbidade importante para essa doença, independente de idade. Não vamos mais considerar a idade. E pessoas acima de 40 anos, com sintomas, nós já vamos iniciar, em breve, a testagem para esse grupo”, frisou Reblin durante a entrevista.

Atualmente são testados pela rede pública de saúde do Estado pessoas com 45 anos ou mais com comorbidades, além de idosos, gestantes, entre outros grupos considerados mais vulneráveis à covid-19. De acordo com a Sesa, até hoje 183.401 testes já foram realizados no Espírito Santo desde o início da pandemia.

A doutora em epidemiologia e professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Ethel Maciel, disse que aprova a mudança no critério. No entanto, afirma que a testagem deveria ter sido adotada, desde o início da disseminação do novo coronavírus, para todos que apresentam sintomas da doença.

“Desde o início, a preconização é testar e isolar. Mas, infelizmente, tivemos várias prefeituras que investiram em medicamentos que não têm comprovação científica e, neste momento, o importante é o investimento financeiro em testes e possibilitar o isolamento das pessoas”, destacou a epidemiologista.

A professora estima que o Espírito Santo retorne à fase de transmissão local da covid-19 em setembro. Trata-se daquela fase em que é possível identificar de onde partiu cada nova infecção. De acordo com Luiz Carlos Reblin, a Secretaria de Saúde do Estado já se prepara para esse momento.

“Nós vamos precisar retomar a testagem, tanto da pessoa que tem sintoma, quanto dos seus contatos, para fazer a contenção da doença naquele grupo familiar, naquele grupo de trabalho, numa instituição de ensino. É como se nós voltássemos à fase de transmissão local. E, para isso, a gente vai ter que ampliar a testagem em grupos que são diferentes dos grupos de hoje, e a gente já vai providenciar essa alteração”, afirmou o subsecretário, durante a entrevista para a Pan News Vitória.

“Quando você testa, você tem uma possibilidade melhor de isolar, porque a pessoa sabe que ela está positiva. Ela adere mais a esse isolamento, principalmente as pessoas que têm atividades informais, que dependem de sair para trabalhar para ter o seu sustento. Então essas pessoas, sem um teste, é muito difícil que você consiga uma adesão a esse isolamento ou que você consiga que o empregador entenda que ela não pode ir. Então é importante essa ampliação de testagem, mas seria importante que ela fosse para toda síndrome gripal”, ressaltou Ethel Maciel.

Com informações da repórter Fernanda Batista, da TV Vitória/Record TV – Folha Vitória

CONTEÚDO PUBLICITÁRIO